A energia não é uma grandeza vetorial, é uma grandeza escalar do mesmo modo que massa e temperatura. É uma grandeza física que caracteriza um certo estado de um corpo, em que um corpo possui uma certa quantidade de energia.
A energia pode se apresentar em uma variedade enorme de formas, podendo ser expressa, por exemplo, em energia mecânica, energia elétrica, energia química, energia térmica, energia atômica, energia nuclear, energia luminosa, energia solar, etc. A energia pode se transformar de um tipo em outro e pode ser transferida de um corpo para outro.
Sua propriedade mais importante é que ela se conserva, a energia total não aumenta nem diminui, mantém o seu valor. Consequentemente, falar de energia é falar da lei da conservação da energia.
A unidade de energia é o joule. Seu símbolo é J. O joule e seus múltiplos são aplicáveis a qualquer tipo de energia. Na Biologia e na Química, e em estudos relacionados com o calor, emprega-se frequentemente, para energia, a unidade caloria (cal) e seu múltiplo, a quilocaloria (kcal). Na eletricidade, utiliza-se o quilowatt hora (kW.h).
A energia mecânica apresenta-se sob duas formas: energia cinética e energia potencial. A essa energia que os corpos possuem, quando estão em movimento, dá-se o nome energia cinética. Ela depende de dois fatores: sua massa e sua velocidade.
Para que a energia cinética de um corpo aumente ou diminua, é necessário que o corpo receba ou ceda energia, ou que produza uma transformação de energia de algum outro tipo de energia em energia cinética e vice-versa.
O produto entre força e o deslocamento recebe um nome – trabalho mecânico –, e é simbolizado pela letra grega τ.
 
DEFINIÇÃO DE TRABALHO PARA QUALQUER TIPO DE FORÇA
Se a força e o deslocamento têm o mesmo sentido, o trabalho é positivo. Se tiverem sentidos opostos, o trabalho é negativo.
Se a força for perpendicular, o trabalho é nulo, quer dizer, vale zero.
A unidade de trabalho mecânico é a mesma unidade da energia: o joule (J). Portanto, 1J = 1N.m.
O trabalho mecânico efetuado sobre um corpo é exatamente igual à variação da energia que o corpo sofre.
Recapitulando e fazendo uma sistematização de algumas propriedades cruciais referentes ao conceito de trabalho, devemos lembrar que trabalho mecânico está associado às variações sofridas pela energia cinética de um corpo. Ele é a medida da transferência de energia, quando um corpo aumenta ou diminui sua velocidade.
Além disso, é preciso ter em mente que o trabalho mecânico é efetuado por uma força sobre um corpo quando estiver associado a essa força.
Existem vários tipos de energia potencial, porém vamos nos deter em uma particularmente, a energia potencial gravitacional que um corpo possui quando se encontra sob a influência do campo gravitacional da Terra. Se jogarmos um dado objeto para cima, verticalmente, observaremos que à medida que sobe, a energia cinética vai diminuindo aos poucos até chegar a zero no ponto mais alto da trajetória do objeto, uma vez que a velocidade no ponto mais alto é zero. Essas variações de energia cinética são explicadas pelo trabalho mecânico realizado pela força peso do corpo durante o movimento do objeto.
Durante a subida, produz-se uma transformação de energia cinética em energia potencial. Ao chegar no ponto mais alto, a velocidade do corpo é zero, isto é, toda a energia cinética transformou-se em energia potencial. Durante a descida, ao contrário, é produzida uma transformação inversa: a energia potencial adquirida na subida vai se transformando em energia cinética durante a descida. Quando o corpo chega ao chão, a sua velocidade é máxima e, portanto, sua energia cinética é máxima enquanto a energia potencial é mínima.
Em termos gerais, se um corpo se afasta do centro da Terra, sua energia potencial aumenta, e, se um corpo se aproxima do centro da Terra, sua energia potencial diminui.
A variação da energia potencial depende da diferença de altura entre a posição inicial e a posição final de um dado objeto.
A energia potencial gravitacional é o trabalho da força peso no deslocamento de um ponto a outro. À soma da energia cinética e da energia potencial que um corpo possui daremos o nome de energia mecânica total (Em), ou simplesmente de energia mecânica.
Em relação à energia potencial gravitacional, seu valor depende de sua posição em relação a um referencial.
A transformação da energia cinética em potencial implica, portanto, se o corpo diminui sua velocidade ao mesmo tempo em que se afasta do centro da Terra.
A transformação de energia potencial, na cinética, deve passar por um processo inverso, isto é, a velocidade aumenta ao mesmo tempo em que o corpo se aproxima do centro da Terra.
Em todo o processo de subida e descida, as energias mudaram de valor, mas a soma delas permaneceu constante, uma vez que a energia mecânica total é igual à soma das energias cinética e potencial.
Portanto, se há uma variação ΔEc da energia cinética, deverá haver uma variação ΔEP da energia potencial de igual valor.
A energia mecânica é conservada quando não recebe ou cede energia para outros corpos.
A única força que atua durante seu movimento é somente o seu peso, e a força de atrito é desprezível. Nos casos em que há forças atuando sobre o corpo, essas são perpendiculares ao deslocamento. De acordo com essas condições, é possível definir a Lei da Conservação da Energia Mecânica.
A energia potencial elástica armazenada num corpo permite que a força elástica realize trabalho. Força elástica (Fel) é a força contrária que aparece numa mola quando se aplica uma força (F) sobre a mola, puxando-a ou empurrando-a.
A intensidade da força elástica é proporcional à deformação x, também conhecida como Lei de Hooke. O trabalho da força elástica pode ser positivo ou negativo.
A energia potencial elástica de uma mola comprimida ou alongada, em relação a uma referência, é igual ao trabalho que a força elástica vai realizar.